22 de jan de 2017

Aceitação!

Hoje acordei pensando em tudo que está acontecendo comigo de um ano e meio pra cá.

Passei por uma separação, saí do trabalho com uma mão na frente e outra atrás, estou sem trabalhar e fazendo dívida para sobreviver, deprimida, sim muita depressão, e sem muita esperança que consiga rapidamente mudar este quadro.

Quanto mais deprimida vou ficando, mais sem forças para lutar sigo a minha caminhada.

Já aceitei várias condições na minha vida, a mais importante delas, foi aceitar meu cabelo, digo isso, e pode parecer uma besteira, mas para uma mulher, aceitar o cabelo dela como é, e amá-lo, acredito que seja a parte do processo mais importante, para ela se enquadrar na sociedade, praticar a auto estima, se reconhecer no mercado, na propaganda, achar produtos que a valorizem como ela é; e senti tudo isso após forte movimento das feministas negras deste país.

Eu sempre soube que era diferente, meio melancólica, meio fechada, fascinada pela beleza que a tristeza pode criar. Quando me emociono, choro e ao ficar feliz demais choro também.
Meu estilo de filme predileto é o drama, e amo as bandas mais melancólicas como Portishead e Radiohead.

Hoje pensei: E se eu aceitar que tenho uma doença psicológica, e tratá-la como uma doença, e não somente como um estado de espirito achando que quando as coisas melhorarem para mim, esse estado vai passar?

Hoje e somente hoje, eu pensei: Por que eu não luto contra esse estado e mudo a minha frequência? Sou do tipo de pessoa que não é nenhum pouco proativa. Sempre espero que as coisas que são para mim, cheguem até mim. Acredito piamente numa lei do Universo que fala, se for pra ser seu, será!

Esperar as coisas melhorarem? Esperar, esperar, esperar... o que eu sempre fiz, foi esperar o melhor momento, esperar tudo melhorar, esperar ter a idade adequada, esperar o verão chegar, esperar ter mais grana pra viajar, esperar ter férias pra viajar, esperar a promoção e conseguir melhor preço da passagem, esperar ser reconhecida no trabalho e rolar um aumento, esperar minhas expectativas estarem certas, esperar o dia de ser feliz, esperar o dia 5, esperar dar 18h, esperar o sábado, esperar me encontrar, encontrar meu caminho...

O lance é que eu com esta minha atitude, ou seja, a minha não atitude, não está adiantando nada... não está surtindo nenhum efeito. Sinto que preciso mudar minha não atitude para que as coisas sejam diferentes.

Nessa vida eu começo uma coisa e paro, começo outra e paro, não sou como as outras pessoas, que têm uma motivação e seguem em frente. Eu desanimo, eu me abato, eu fico sempre mal.

Hoje eu resolvi assumir e aceitar: Tenho depressão.

Chega de achar que passo por momentos deprimida, que passo por situações que me deprime. Acho que aceitar essa condição, este quadro ficará mais real. E e este olhar para a realidade que eu acabo me perdendo um pouco, pois tudo eu transformo num conto, numa história mirabolante, cheia de mágica e nuances extraordinários, assim como eu acho que a vida deve ser! Ledo engano, eu na verdade não quero é entrar em contato com a realidade, com a rotina, e a vida nada glamourosa das pessoas comuns, normais e equilibradas.

Preciso tratá-la para que não me atrapalhe mais. Só a terapia não dá conta, é físico, é químico, é dentro da cabeça, no corpo, não vejo o mundo e não o sinto da melhor forma.

Trilha sonora: Jain - All My Days


Nenhum comentário: